Rouge capta uma cidade imaginária, adormecida. Acesa de relance por neóns e signos urbanos, num vermelho cintilante e, ao mesmo tempo, já decadente. Luzes que, em um passado não tão distante, acenavam como simulacros da pós-modernidade, agora dão outros sentidos aos cantos de uma cidade esvaziada. 

A série é de 2018 e foi fotografada em película 35mm, digitalizada e fixada, por sublimação, em alumínio especialmente tratado para o processo.