As narrativas de Charles Baudelaire sobre a Modernidade e as passagens parisienses do século XIX  sempre me  fascinaram. 

Passagens é uma releitura daquela experiência estética; porém, aqui, o automóvel e toda a cultura estabelecida em torno dele, à partir da segunda metade do século XX,  tomam o lugar romântico do flâneur.