Após o terremoto de 2010, milhares de haitianos imigraram para o Brasil, chegando sobretudo pelo norte do país. Na série  O futuro tem muitos nomes, de 2014, retratei diversas dessas pessoas em Manaus. São fotografias diretas, olhares frontais captados em película de grande formato, imagens sem subterfúgios. Medo e incertezas,  misturadas à esperança de um recomeço.  É  essa ambiguidade que me interessa na fotografia.