Betânia era, na minha infância,  uma placa de carro pendurada na parede. Era também palco das estórias de Lampião, contadas pelo meu avô.  Era o sertão em minha casa, os silêncios de meu pai. 

Em 2007 rodei quase 2000 kilômetros pelo sertão de Pernambuco, em busca daquele lugar que  permeava minha imaginação.